Sobre

Olá, me chamo Ângela Basualdo Resmini e sou a criadora do Santa Meada.  Antes de contar a minha história, vou explicar um pouquinho sobre esta técnica que utilizo chamada feltragem.

​​

Uma Arte Milenar

A feltragem é uma técnica muito antiga, com a idade de 6300 anos aproximadamente. Quando as fibras de lã se entrelaçam, elas acabam atravessando o processo ao qual chamamos de feltragem.  A feltragem pode acontecer com a ajuda de água e sabão ou até mesmo com uma agulha de feltragem. 

​Esta técnica é tão antiga quanto a sua fibra. Há algumas histórias que fazem parte da sua mitologia. Uma delas é quando Noé no interior da sua arca, descobriu uma "manta" macia na baia onde ficavam os carneiros. Repleto de questionamentos de como aquilo tinha aparecido naquele lugar, ele ficou por algum tempo observando estes animais e reparou que os pêlos que caíam de suas pelagens eram pisoteados pelos mesmos. E que com a ajuda da urina, acabavam se transformando em um incrível e felpudo tapete. 


Desde quando apareceu, a técnica da feltragem molhada é usada por diversos povos ao redor do mundo. Atualmente , tapetes, tendas, calçados e vestimentas podem ser feitos com esta técnica.

​A feltragem com agulhas é a técnica mais recente e também a mais fácil de aprender para quem está começando. Nela, o processo de feltragem ocorre através do entrelaçar das fibras de lã com o auxílio de uma agulha especial para feltragem, que empurra as fibras para dentro da peça que está sendo trabalhada. O processo é bastante repetitivo e minucioso. Quanto mais se espeta a agulha na peça, mais ela se firma e reduz o tamanho criando formas diversas.

O meu novelo com a arte

Agora, vou contar um pouco da minha história. Nasci em Porto Alegre e sempre fui ligada às artes manuais. Desde criança meu lado criativo foi aparente. ​Sempre gostei de desenhar, fazer velas e bijuterias, costurar, fazer enfeites e brinquedos. Desenvolvi as habilidades manuais desde cedo. Adoro experimentar e descobrir novas técnicas.

No entanto, apesar de gostar bastante das artes, tenho facilidade com números e gosto de solucionar problemas, então acabei optando pela engenharia como formação. Já com o diploma de Engenheira de Produção, trabalhei na área de custos e produtividade em duas grandes multinacionais. Apesar de gostar dos desafios da engenharia, sentia que faltava um propósito que me identificasse com o meu trabalho. Também sentia falta de usar o meu lado mais criativo e artístico.​

Quando meu filho nasceu, eu trabalhava em uma fábrica de tratores. Era um trabalho que exigia muitas horas de dedicação, além de uma longa distância que precisava percorrer todo dia. Ficar mais perto do meu filho foi o que me pareceu a melhor escolha e assim decidi, com o apoio do meu marido, interromper a carreira de engenheira. Eu queria ter mais tempo para participar da vida do meu filho.

Assim, comecei a buscar uma atividade mais flexível e prazerosa, que pudesse me proporcionar mais tempo com a minha família. Como já fazia diversos trabalhos manuais para presentear: muitas peças de patchwork, casinhas de madeira, brinquedos de tecido e crochê decidi transformar o que antes era um hobbie em trabalho.

Feltrando a minha vida

Quando o meu filho tinha quase 3 anos, decidimos que ele iria frequentar um jardim de infância Waldorf. Quando entrei na casa onde a escola funciona, não tive dúvidas de que aquele era o ambiente acolhedor e respeitoso que buscava para ele.

 

Nas escolas Waldorf dá-se grande importância ao trabalho com as mãos, lá vi pessoalmente as primeiras peças feltradas que conheci. Me encantei pela técnica e suas possibilidades e logo comecei a praticar. Senti muita afinidade com o material, e não tive dificuldade em fazer minhas primeiras peças: abelhas, joaninhas, borboletas e formiguinhas, que enfeitaram o piquenique de aniversário de 3 anos do meu filho. Pouco tempo depois, nessa mesma escola, fiz minha primeira oficina de feltragem, onde aprendi a fazer fadas. E desde então não parei mais.

​Comecei a fazer pequenas coisas para mim ou para eu presentear, apurando cada vez mais a técnica. Os amigos e famílias da escola gostaram muito dos meus trabalhos com a lã, e começaram a fazer encomendas.

​No início tive muita dificuldade de encontrar materiais e bons conteúdos sobre o assunto.  Então em 2018, tive a ideia de levar para mais pessoas o prazer de feltrar. Assim montei um projeto com a intenção de facilitar às pessoas o acesso à feltragem, trazendo inspirações, tutoriais, aulas e materiais dando aquela santa ajuda para quem quer aprender.​

E foi assim que nasceu a Santa Meada.

Mensagem por Whatsapp

(51) 99156.0606

  • Preto Ícone YouTube
  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Pinterest Icon

copyright © 2019 - Santa Meada

  • Preto Ícone YouTube
  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Pinterest Icon