Feltrar, para mim, é um ato de reconexão. Um reencontro, um tempo para meditar e deixar a mente livre para encontrar o seu próprio caminho, libertar-se das suas amarras e criar. Foi feltrando que descobri essa caminhada linda que levou à Santa Meada, e é assim que quero difundir essa prática milenar tão importante e ainda pouco explorada no Brasil. 

 

Muito prazer, sou Ângela Resmini. Eu crio os kits, monto os projetos, faço os tutoriais, gravo os cursos, atendo vocês no WhatsApp, Facebook e Instagram, envio tudo para a sua casa e coloco muito amor e carinho em cada etapa.

(12)-001.jpg

Que tal conhecer um pouquinho sobre o começo de tudo?

Este projeto nasceu, no ano de 2017, de uma forma despretensiosa (como muitas das coisas boas da vida). Engenheira de produção, desde criança mantive contato com diferentes manualidades: gostava de desenhar, de fazer velas e bijuterias, de costurar e de criar enfeites e brinquedos. Depois de anos atuando em minha área de formação, buscava desafios diferentes, que me reconectassem com minha criatividade e que também permitissem que passasse mais tempo com meu filho, que tinha três anos na época.

 

Foi no jardim de infância Waldorf frequentado por ele, a Casa Ametista, que conheci essa técnica encantadora. Nas oficinas, aprendi a fazer as fadas, abelhas, joaninhas, borboletas e formiguinhas que enfeitaram o seu piquenique de aniversário. 

 

Na feltragem, encontrei espaço para tudo o que precisava: convívio com a família, tempo para criar e desenvolver a criatividade e possibilidades profissionais. Só faltavam materiais de qualidade e cursos adequados para orientar uma iniciante no Brasil. Foi então que surgiu a ideia da Santa Meada, uma loja virtual que pudesse ser uma santa ajuda para quem precisasse. Um local que reunisse tudo: lãs, agulhas, acessórios, cursos e, principalmente, troca de conhecimento. 

 

Foi um longo caminho até que tudo se organizasse, mas a Santa Meada cresceu e hoje conta com loja virtual, site, Instagram, WhatsApp, Facebook, canal no YouTube e Pinterest. 

 

A feltragem veio para transformar minha vida e criar caminhos novos. Por isso, reafirmo minha crença de que esta é uma atividade de reconexão. 

 

Permita-se feltrar e encontrar a sua verdade no silêncio da agulha fincando a lã. É relaxante e meditativo. Quem sabe você também não reencontra a sua própria história na feltragem?